Skip to content Skip to footer

Ortodoxia

Em Ortodoxia, G.K Chesterton resgata o núcleo da fé cristã como arcabouço suficiente para dar sentido à existência humana.

Informação adicional

Autor

Dimensões

14×21

Encadernação

Brochura

Formato

Livro físico, E-book, Audiobook, Compra internacional

ISBN

978-8543302751

Número de páginas

208

Livro físicoE-bookAudiobookCompra internacional
Limpar

Descrição

O marco do pensamento cristão do século XX.

“Chesterton (1874-1936) faz neste livro uma autobiografia espiritual, em que o núcleo da crença cristã se apresenta como suficiente arcabouço para conferir sentido à existência humana.”
O Estado de São Paulo

“Um século depois de sua aparição, o livro mantém todo o seu frescor e novidade.”
Marcelo Coelho (Folha de São Paulo)

“Um verdadeiro `tour de force`, em termos de inteligência e de humor.”
Moacyr Scliar (Folha de São Paulo)

“Publicado em 1909, Ortodoxia é a melhor síntese de seu pensamento sobre a religião.”
Revista Veja

“Leiam, por amor à inteligência, Ortodoxia, que acaba de ser relançado pela editora Mundo Cristão.”
Reinaldo Azevedo

“Uma eloquente apologia do cristianismo contra as filosofias e doutrinas do início do século XX.”
O Globo

“O ensaísmo de Chesterton me atrai por sua arte argumentativa.”
Daniel Piza (O Estado de São Paulo)

Numa época em que a Europa dava os primeiros passos para tornar-se uma sociedade pós-cristã, um intelectual de grosso calibre, cansado do cinismo reinante e do fascínio despertado por novas ideias, resgata o núcleo da fé cristã como arcabouço suficiente para dar sentido à existência humana. Ao contar sua jornada espiritual, G. K. Chesterton faz saber à intelligentsia europeia da primeira metade do século XX que o socialismo, o relativismo, o materialismo e o ceticismo estavam longe de responder às questões existenciais mais profundas. E quando questionado sobre as aparentes contradições da fé cristã, Chesterton era um mestre em valer-se do paradoxo para apresentar a simplicidade do senso comum. Seu jeito despojado, seu estilo incisivo e a facilidade de rir de si mesmo tornaram célebres seus debates com intelectuais da época, como George Bernard Shaw, H.G. Wells, Bertrand Russell e Clarence Darrow.

Dono de uma pena arguta, sutil e envolvente, Gilbert Keith Chesterton deixou marcas inesquecíveis em mestres da literatura como Hemingway, Borges, García Márquez e T. S. Eliot. Como se não bastasse, seus textos influenciaram decisivamente líderes de movimentos de libertação como Michael Collins (Irlanda), Mahatma Gandhi (Índia) e Martin Luther King (Estados Unidos). Cem anos depois, Ortodoxia é um clássico da literatura que merece (e deve) ser revisitado.

Avaliações

Não há avaliações ainda.

Seja o primeiro a avaliar “Ortodoxia”

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *